segunda-feira, 14 de julho de 2014

Pedra Arken. Uma possível Silmarill?

Galera, cá estou de novo trazendo uma reflexão para aqueles que conhecem e não conhecem muito sobre a nossa querida Terra – Média. Estava eu aqui lendo o livro da franquia de J.R.R. Tolkien, O Silmarillion, e logo depois revi O HOBBIT – A DESOLAÇÃO DE SMAUG. Bom, durante o filme percebemos como é realçada a vontade dos anões de voltar para sua terra natal, lógico, afinal um anão é o segundo ser mais velho da Terra-Média, ficando atrás apenas dos Imortais elfos (eldar, na língua dos mais antigos) e logo na frente dos Dunedaíns (sim,antes os humanos da antiga linhagem Númenor a qual nosso ilustre Rei de Gondor Aragorn é descendente, vivia por até 200 anos !!!), sendo assim, preza muito por suas raízes, como podemos ver na grande alegria de Gimli quando a Sociedade do Anel se dirigi a Minas Moria.




Agora caro leitor, vou te deixar a parte de um passado muito profundo da Terra – Média que pode ter influenciado nosso caro Thórin Escudo de Carvalho a retomar seu lar em Erebor.

As Silmarils eram lindas gemas criadas por um antigo habitante das terras imortais a oeste da Terra-Média, um local denominado Varda, a Terra Imortal, lugar de criação do elfos por Ilúvatar, uma divindade suprema que, juntamente com outros Valar (criações de Ilúvatar, podendo ser assemelhados aos arcanjos em um metáfora cristã). Seu nome era Feanor, filho do rei dos Noldor ( Elfos do segundo clã que migraram de Eldamar para Valinor, eram os mais classificados em sabedoria, guerra e artesanato, chamados também de “Elfos Profundos”)Finwe. As Gemas não eram meras pedras que fulguravam fortemente, tinham algo de ‘’vivo’’ e ‘’sagrado’’ para os habitantes de Aman. A criação delas não é totalmente descrita no livro, faz-se apenas uma referência à inspiração que levou Fëanor a fazê-las. O valor delas, no universo ficcional de Tolkien, é próximo ao infinito, já que ninguém, mesmo Aulë, mestre das habilidades manuais, era capaz de recriá-las. Diz-se, também, que o próprio Fëanor não era capaz de fazê-las mais uma vez. A descrição delas diz que eram capazes de produzir sua própria luz e, também, de refratar e refletir luzes que se aproximassem delas.




Junto com um dos Valar havia Melkor, que se rebelou contra a criação dos elfos e desejou profundamente as Silmarils. Assim, Melkor, com ajuda de Ungolianth, um antigo Ainur em forma de uma Aranha enorme, destruiu as Duas Arvores de Valinor: Laurelin e Telperion, restando agora apenas as Silmarils contendo a antiga luz das arvores que iluminavam Valinor. Tendo recebido tal golpe, os Valar pediram a Feanor para que lhes desse as pedras para reviver as arvores, porém, Feanor estava tão cego para com a beleza de sua criação que recusou a proposta dos Valar, abrindo espaço para o plano de Melkor entrar em ação, que roubou as jóias da fortaleza de Feanor, Formenos e assassinou seu pai, fugindo para Terra-Média juntamente com Ungolianth para Angband, sua fortaleza no norte da Terra-Média que estava aos cuidados de seu Tenente Sauron (sim, Sauron é muuuuuuuuito picudo). Lá, criou uma coroa com as três pedras.




Durante toda a Primeira Era, os Noldor combateram Morgoth( nome agora dado a Melkor) para recuperá-las.Diz-se em Contos Inacabados, que Fëanor teve a ideia de criar as Silmarils ao observar os cabelos da elfa Galadriel, que tem destaque em O Senhor dos Anéis. Seus cabelos, consta, eram dourados como os de seu pai, Finarfin. Porém, eram mais ricos, pois tinham algo da prata estelar dos cabelos de sua mãe Eärwen, e parecia que a luz das Árvores fora captada em seus cachos. Fëanor implorou três vezes por seus cabelos, que muito contemplava, mas ela, que não gostava dele, negou-lhe um fio que fosse. Mas, ao presentear a comitiva do anel, n’A Sociedade do Anel, ela deu três fios à Gimli, atendendo seu pedido, ao que ele respondeu que seriam a jóia da Casa dele, e que os guardaria num frasco de diamante.




Fëanor, ao tentar ir para a Terra-Média procurar suas jóias, fez o Juramento de Fëanor com seus filhos, o que os prendia na luta contra todos aqueles que mantivessem as Silmarilli longe deles. O Juramento culminou no Fatricídio de Alqualondë, onde os Noldor assassinaram os Teleri, na cidade-porto de Alqualondë, quando sua exigência dos barcos lhes foi negada. Com isso, os Noldor perderam, temporariamente, as boas graças dos Valar. Os barcos telerim não eram suficientes em quantidade para levar todos os Noldor (que concordaram em ir na viagem) de uma só vez. Fëanor foi na primeira travessia Aman-Terra-Média, junto de seus filhos e aqueles que lhe eram importantes. Na costa oeste de Beleriand, ele queimou os barcos, desconfiado dos que foram deixados em Aman. Esses, como foram exilados pelos Valar, não podiam ficar daquele lado do mar, então cruzaram o Helcaraxë, uma ponte de gelo que ligava o norte de Aman ao norte de Beleriand. Nessa travessia, incontáveis elfos pereceram no vento gelado.




Com o tempo, as Silmarilli foram todas resgatadas, à duras penas, da Coroa de Ferro. Uma foi conseguida por Beren e Lúthien, e essa está com Eärendil, nos céus. As outras duas, que permaneciam com Melkor, só foram tiradas de sua coroa ao final da Guerra da Ira, a última guerra contra o primeiro Senhor do Escuro, pelas mãos de um vassalo de Manwë, rei dos Valar. Contudo, as duas últimas foram, ocasionalmente, roubadas pelos filhos remanescentes de Fëanor, Maedhros e Maglor, que tentavam completar o Juramento, mas as Silmarilli queimaram suas mãos, como queimaram as de Morgoth antes. Em agonia, Maedhros atirou-se, junto da Silmaril, em um poço de fogo, e Maglor atirou a sua pedra no mar.




Assim, as pedras permanecem nos três elementos: ar (viajando com Eärendil, nos céus,); terra (no fundo do poço de fogo); e água (no fundo do mar).

Enfim, já tendo deixado o leitor por dentro dos acontecimentos por parte da história das Silmarils, vem à questão: Todos sabem que os anões são ótimos mineradores e atingem grandes profundidades em suas escavações, e, sabendo que as Silmarils traziam certo fascínio a aqueles que as possuíssem (mesma habilidade do Um Anel, exceto contra seu criador Sauron), é totalmente comprenssível que Thror, avô de Thórin, tivesse tal comportamento como mostrado no primeiro filme da franquia O HOBBIT, e que o mesmo acontecesse com Thórin, mostrando ser dominado pela pedra quando ameaça Bilbo (que carregou aquele bando de anões folgados nas costas, exceto Balin, porque o Balin era foda, lembrando que ele morre em Moria e seu túmulo é apresentado em O Senhor dos Anéis: A Sociedade do Anel, quando Gimli o encontra aos prantos) dentro de Erebor. Mas porque a pedra não funciona no Bilbo então? Simples. Ele já estava sobre o encantamento do Um Anel, ele apenas desejava-o, mais nada.


Bom, sem trazer spoilers sobre o próximo filme (pois já li o livro e sei o que acontece), a Pedra Arken vai se mostrar ainda mais como sendo um objeto de desejo de mais indivíduos na Terra-Média, aí sim, seu poder de Silmaril nos será revelado, e se isso for verdade, podem esperar, pois a profecia de Mandos diz que elas serão encontradas e retomadas pelos Valar, ou seja, a treta pode ficar muito maligna, ameaçando mais uma vez a paz no mundo dos homens, elfos e anões, e forças maiores entrarão em conflito!!!

1 comentários:

  1. Eae, man? Beleza.

    Achei esse texto aqui procurando relação entre Silmaril e arkenstone.

    Bom, também acho que a pedra Arken pode ser uma silmarilion, contudo é apenas especulação. Nem mesmo Tolkien revelou nos livros que foram lançados.

    Tenho algumas considerações a fazer:

    1ª. Os homens da Antiga Linhagem de Número podiam viver por quase 500 anos (veja o primeiro rei, Elros). O tempo de vida deles foi diminuindo de acordo com a rebeldia deles para com os Valar.

    2. Varda não é um lugar sagrado que fica a oeste da Terra-Média. Esse lugar é Aman. Varda é um Valar, esposa de Manwë.

    3. Quando os anões acharam a Pedra Arken para eles era apenas uma pedra bonita. Em nada se diz que era uma Silmaril e eles nem mesmo cogitam essa possibilidade. Eles parecem desconhecer essas pedras.

    4. O objeto não mostrou ser objeto de interesse de nenhum dos envolvidos. Thranduil não pensou em ficar com a pedra. Ele e Bard apenas a ofereceram como barganha pela dívida que ele possuía.

    5. Com relação a profecia de Mandos ela diz que após a última batalha as Silmarils serão reveladas e encontradas. Talvez se Dagor Dagorath tivesse sido publicada na versão do Silmarillion poderíamos saber o acontece com elas.

    PS: Poderia mudar a cor da fonte das letras. Está muito ruim de ler.

    ResponderExcluir