segunda-feira, 18 de agosto de 2014

A História por trás do Um Anel - Final

Elrond, por sua extensa sabedoria, sabia que o Um Anel ainda seria encontrado, e uma segunda escuridão se abateria sobre o mundo e só o acaso poderia salvá-los. Mithrandir então o disse: "Muitos são os estranhos acasos do mundo, e, quando os Sábios tropeçam a ajuda costuma vir das mãos dos facos".



Saruman, por sua vez, estudou o comportamento de Sauron e, se arriscou até o Inimigo aparecer novamente, pois sabia que o Anel estava a procura de seu mestre. Assim, Saruman mandou espiões por toda a Terra-Média, sendo em sua maioria pássaros, já que Radaghast nada suspeitava de Saruman e a ajudava a controlar os animais.


Mithrandir então percebeu que Sauron, mesmo sem o Anel, já estava poderoso o suficiente, e, reunindo mais uma vez o conselho, pediu que organizassem um exército e marchassem violentamente para Dol Guldur a fim de combater o Senhor do Escuro.
Porém Sauron era astuto e já previra tal ação, ordenando que os Espectros do Anel fossem a Mordor e preparassem sua chegada, reerguendo as torres sinistras de Barad - dûr.
Porém, o acaso mostrou mais uma vez que o destino não pertence aos grandes e fortes. O anel fora encontrado por um dos periannath,o Povo Pequeno pescador do Anduin. Dali se distanciou para as raízes das cavernas, até que um viajante que fugia dos orcs o encontrou e o levou para esse país distante dos pequenos, até então ignorados por homens e elfos.


Mithrandir, ao saber disso, convocou antigos dunedaín da antiga linhagem de Númenor para vigília desse local.

Porém Sauron tinha muitos ouvidos, e logo despachou os nazgûl.
Iniciou-se assim o combate que finalizaria a Terceira Era.
Contudo, atos de bravura e espanto dominavam aquela ápoca. Algo inesperado acontecera. O Herdeiro de Isildur surgiu no Norte. Aragorn, filho de Arathorn, vigésimo terceiro herdeiro na linha direta de Isildur, portador da antiga espada fragmentada Elendil, admirável comandante dos homens.


Saruman, O Traidor, foi derrotado, e Isengard destruída. A batalha campal ás muralhas de Gondor foi o fim do Senhor de Morgul, comandante dos nove nazgûl, e o herdeiro de Isildur levou a guerra aos portões negros de Mordor.
Porém, Sauron se revelou resoluto, trazendo derrota e desespero a armada unida de Gandalf, Elrond e seus filhos, o Rei de Rohan, senhores de Gondor e o Herdeiro de Isildur. E foi aí que as palavras do mago branco mostraram veracidade.
Frodo, a pedido de Mithrandir, atravessou os perigos do fogo e da morte e, soturno aos olhos do Inimigo, adentrou Mordor e queimou o artefato de poder no fogo da Montanha da Perdição, fazendo com que Sauron fugisse novamente como uma sombra de maldade.


Assim, a Terra- Média sustentava uma nova aurora, a aurora radiante e próspera do início da Quarta Era. Gondor foi entregue ao comando do legítimo herdeiro e portador da espada, Aragorn.
Foi revelado o verdadeiro guardião do anel élfico do fogo, um homem cuja sabedoria e conselhos guiaram os acontecimentos daqueles últimos dias, Gandalf.
Círdan, Elrond e Galadriel, os últimos noldor e guardiões dos anéis élficos, agora, desprovidos de poder, embarcam na nau branca feita por Círdan, e, no crepúsculo de Outono, partiram para Mithlond, até que os mares do Mundo Curvo foram se afastando abaixo dela, e os ventos do céu arredondado não mais a perturbavam. E, sustentada no alto, acima das névoas do mundo, passou para o Antigo Oeste, e chegou o fim para os eldar de prosa e verso.


0 comentários:

Postar um comentário